Quer razões para ser otimista? Músico David Byrne dá várias

0
457
Músico David Byrne, ex-líder do Talking Heads, criou o site 'Reasons To Be Cheerful' para dar boas notícias. Imagem - divulgação

O músico, compositor, produtor, escritor David Byrne, 65 anos, um dos criadores e ex-líder da banda Talking Heads, uma das mais influentes e importantes da história da música, quer mostrar que o mundo “não é só um inferno”. Por pensar assim, criou o blog ‘Reasons To Be Cheerful’ (Razões para ser Otimista), que compila boas notícias espalhadas pelo mundo para compartilhar com seus seguidores.

Em entrevista que concedeu ao G1, o músico, que foi uma das atrações do Lollapalooza 2018, realizado em março, em São Paulo, explicou as razões que o levaram a desenvolver o projeto: “me ajuda ficar vivo e a manter minha sanidade”.

David Byrne já lançou 11 discos solo, sendo o mais recente “American Utopia”, que saiu em maio. O disco também faz parte do projeto “Razões para ser otimista”. “Ainda tem gente fazendo coisas incríveis. Quero encontrar coisas que me dão esperança. Podemos não ter fé em nossos líderes, mas o nosso povo está fazendo a diferença”, disse o músico na entrevista.

Músico e compositor David Byrne. Foto - divulgação
Músico e compositor David Byrne. Foto – divulgação

Energia dos ventos

É nisso que o Boas Novas também acredita. A matéria do G1 destaca cinco notícias que o músico postou no seu site. A primeira delas foi sobre o uso da energia eólica, que mostra o caso de Västra Hamnen, na cidade sueca de Malmö, que está prestes a se tornar o primeiro bairro neutro em carbono da Europa.

Todo o dióxido de carbono emitido no local foi contabilizado e contrabalançado por investimentos em energia gerada por ventos e pela água. O prefeito da cidade, Ilmar Reepalu, diz que o trabalho é resultado do fechamento das duas usinas nucleares da cidade. O objetivo é ter toda a cidade de Malmö neutra em carbono até 2030.

Música que transforma

No site, o cantor dá destaque para a versão de “American Utopia” feita por alunos da Detroit School of Arts, gravada em vídeo por estudantes de rádio e TV da unidade de ensino. A gravação, de acordo com David Byrne, mudou completamente seu pensamento sobre a música. “Mudou o significado da canção. Eu percebi que é sobre inclusão, sobre receber bem e não ficar sozinho”, disse o músico na matéria do site.

Festa e diversidade

O músico adora festas que mostram diversidade cultural e ajudam as pessoas a ficarem mais otimistas. No ‘Reasons To Be Cheerful’ ele fala do Zlatne Uste Golden Festival, que acontece todo mês de janeiro no Grand Prospect Hall do bairro do Brooklyn, em Nova York.

“É um festival de música de dois dias sobre os países dos Bálcãs. Ele é generosamente inclusivo. Tem Hungria (tecnicamente não muito dos Balcãs), Sérvia, Croácia, Bósnia, Bulgária, Macedônia, Albânia e Montenegro”, conta Byrne.

Amante das bikes

O músico é um amante e ativista das bikes e já escreveu um livro sobre o tema: “Diários de Bicicleta”. No seu site ele conta que em Bogotá, capital da Colômbia, foi criado um programa muito inovador para ciclistas, que depois se tornou modelo para Nova York e outros lugares mundo afora. Na sua avaliação, projetos como o desenvolvido em Bogotá precisam ser copiados. “Se é bom, tem que copiar”, costuma dizer. Por onde passa realizando seus shows, Byrne costuma alugar bicicletas para perambular pelas cidades.

Prisão mais humana

David Byrne, que tem uma estreita ligação com o Brasil (três músicos de sua banda atual são brasileiros e sua gravadora, a Luaka Bop, já lançou discos como os de Tom Zé e Os Mutantes pelo mundo), relata em seu site boas ideias de programas em presídios pelo mundo.

Em um dos posts, ele cita um exemplo da Noruega, onde 75 pessoas, por grupo de 100 mil, estão presas. Dessas, a taxa de reincidência está em torno de 20%, contra 76,6% nos Estados Unidos. Na prisão norueguesa de Halden, diz o texto do site, não há grades nas janelas e os prisioneiros têm cozinhas completas (inclusive com facas), TVs de tela plana e muito treinamento vocacional.

Modelo Apac

Será que David Byrne conhece o modelo das Apacs? A metodologia Apac foi lançada em 1972, em São José dos Campos (SP), e é uma alternativa revolucionária ao sistema prisional tradicional. Nela, os presos têm a chave da prisão, cuidam da própria segurança, todos trabalham e estudam e o percentual de reincidência no crime é cerca de 20% (o mesmo do exemplo citado na Noruega), contra 75% no sistema tradicional. O modelo Apac hoje está presente em 23 países.

E você, tem algum exemplo de iniciativa positiva, uma boa ação, algo inovador na área ambiental, em tecnologia, voluntariado, saúde, educação, cultura? Mande para compartilharmos aqui no Boas Novas.

Com G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira o seu comentário!
Por favor insira seu nome