Veja 10 dicas que vão ajudar você a arrumar um emprego

0
333
Arrumar um emprego exige dedicação e iniciativa

A crise econômica que tomou conta do país nos últimos anos deixou muita gente sem trabalho. Pior, até há pouco tempo, as perspectivas não eram boas para quem tentava uma recolocação. Mas esse cenário está mudando e é hora então de se preparar para arrumar um emprego.

Os dados do IBGE sobre emprego mostram que o país atingiu o menor nível de carteira assinada desde 2012. Mas analistas acreditam que o pior já passou. Os empregos formais devem crescer até o fim deste ano. Já o Ministério do Trabalho avalia que o saldo de vagas até dezembro deverá ser positivo. As perspectivas são boas.

Este é o momento de tomar uma decisão e correr atrás de uma recolocação. Mesmo que você já tenha enviado inúmeros currículos, feito entrevistas, tudo sem resultado, a hora é de rever os planos e traçar novas perspectivas.

Afinal, se as projeções apontam para aumento de contratações, você precisa estar bem preparado para quando a hora chegar — e ela pode ser agora.

O Dia do Trabalhador, comemorado neste 1º de maio, é um bom ponto de partida. A reflexão do feriado pode ser inspiradora, num momento em que você deve estar atento e com iniciativa.

Para ajudá-lo neste caminho de retomada, o Boas Novas MG preparou 10 dicas para você arrumar um emprego.

1. Revise o seu currículo

Este é o primeiro passo e mais importante. Fique atento ao texto, corrija os erros de português — nenhum selecionador gosta de ler um currículo com erros. Atualize, caso tenha havido alguma mudança desde a última revisão.

Reforce seus pontos fortes e os resultados que obteve. Essas indicações são as mais interessantes para o recrutador.

2. Atualize seu perfil em bancos de vagas

Aproveite e atualize seu perfil e currículo nos bancos de vagas e sites de empregos. A gente preenche vários deles e esquece de voltar para corrigir, rever e deixá-los atualizados.

3. Estude bem a vaga para a qual vai se candidatar

Se você se deparou com uma vaga, estude bem a proposta. Ela se encaixa no seu perfil e nos seus objetivos? Atirar para todo os lados pode ser uma estratégia ineficiente. Você vai perder tempo, dinheiro e ficar angustiado com uma oferta que, no fundo, não lhe interessa.

Como as perspectivas são boas, é a hora de fazer uma boa seleção. Afinal, arrumar um emprego não é uma inscrição qualquer.

4. Mantenha-se atualizado

Nem sempre é possível fazer um curso, por exemplo. Afinal, sem salário, o momento é de se resguardar e economizar. Mas há oportunidades gratuitas espalhadas pela internet e de qualidade. Por exemplo, é possível melhorar seu inglês com aplicativos gratuitos ou com custos muito baixos.

Se você guardou um dinheiro para situações como essa, então vale investir em um curso de atualização. Não pare de ler. Jornais, revistas, sites devem estar na sua rotina.

Procure análises, informação, tendências. Se comprar um livro físico fica muito caro, opte por ebooks — são mais em conta e facilitam a leitura em qualquer lugar.

5. Utilize bem as redes sociais

Este é o momento de fazer bom uso das redes sociais. O Facebook, por exemplo, tem vários grupos que compartilham oportunidades de trabalho — alguns são segmentados por profissão. Utilize bem essa rede para avisar amigos que está se reciclando e procurando uma recolocação.

O LinkedIn precisa da sua atenção. Como é uma rede direcionada ao mundo profissional, ela dá uma visibilidade maior e mais objetiva. Muitos recrutadores utilizam esse canal para procurar candidatos adequados a uma vaga.

Faça o seu perfil o mais completo possível. Se tiver dúvidas de como preencher, dê uma olhada em perfis de colegas com características semelhantes.

Mas cuidado. Não transforme suas redes sociais em palanques. Você precisa neste momento focar no que mais quer: arrumar um emprego. E muitas empresas costumam olhar os perfis públicos dos candidatos.

6. Faça networking

É a hora de marcar um café com um antigo colega ou um professor da faculdade. Retomar conversas perdidas durante encontros passados e que nunca foram colocadas em prática.

A networking é uma ótima forma de mostrar ao mercado que você está atuante. Perder o emprego não é fácil, mas todo mundo sabe que isso acontece. Não se envergonhe. Seja claro nas conversas. Você precisa de indicações, dicas, novos contatos.

Hoje, é você que precisa dessa ajuda. Amanhã, pode ser esse colega. A networking é uma via de mão dupla.

7. Conheça as empresas em que pretende trabalhar

Da mesma forma que você precisa estudar bem a vaga à qual vai se candidatar, também deve avaliar a empresa. Converse com funcionários ou colegas que conhecem bem a companhia.

Busque referências no mercado e na imprensa. Veja se ela tem boas posturas, se há respeito aos funcionários. Visite o site para entender a missão e o valor. Monte um banco de dados com essas prospecções.

8. Avalie as entrevistas já feitas

Às vezes, saímos de uma entrevista achando que a vaga é nossa. Quando recebemos a resposta, nem acreditamos na negativa. E temos a tendência de culpar os outros pelo nosso fracasso.

Por isso, vale fazer um exercício de avaliação das entrevistas em que você compareceu. Tente lembrar ao máximo de todo o processo, da chegada ao cumprimento de despedida. Analise sua postura, sua roupa, seu comportamento, o que você disse.

Desse estudo, você pode encontrar pontos fracos que precisam ser melhorados para as próximas entrevistas.

9. Peça retorno aos selecionadores

A negativa também deve ser entendida como uma oportunidade de crescimento. Entender o motivo de uma recusa faz parte do processo de quem está no caminho de arrumar um emprego.

Por isso, vale entrar em contato com os selecionadores para tentar entender os motivos pelos quais você não foi aceito para uma vaga. Perguntar em que você pode melhorar, por exemplo. Esse feedback é importante e vai ajudar muito.

10. Faça uma autoavaliação

Arrumar um emprego é tarefa cansativa e estressante. Não basta estar sem trabalho, é preciso encarar a sensação de impotência.

Mas é desse momento que você precisa tirar o melhor. Portanto, avaliar seus pontos fortes e fracos é uma ação fundamental. Essa autocrítica pode proporcionar crescimento. Avalie os motivos da sua demissão ou que levaram você a ser o escolhido.

Em que você precisa melhorar e o que você já avançou desde então? Quais são os seus fortes, o que você pode destacar para arrumar um emprego?

Dessa forma, todas as dicas anteriores vão ficar mais fáceis de serem seguidas. E o caminho para você se recolocar no mercado estará mais claro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira o seu comentário!
Por favor insira seu nome