Minas se torna referência na geração de energia solar

0
297
Minas é líder em geração de energia solar

Minas Gerais vem se transformando no principal Estado do país quando o assunto é geração de energia solar. É o que revela um estudo produzido pela Associação Brasileira de Energia Solar Fotovaltaica (Absolar).

Atualmente, Minas é o Estado com a maior potência instalada de geração de energia solar, o que corresponde a 22% do total do país — a capacidade nacional é de 350 megawatts (MW).

Minas Gerais lidera o ranking de geração de energia solar, com potência de 78 MW. Em seguida, está o Rio Grande do Sul (14,1%), sucedido por São Paulo (12,6%), Santa Catarina (7%) e Paraná (5,4%).

Em entrevista ao jornal Diário do Comércio, o presidente da Absolar, Rodrigo Sauaia, citou três fatores que deixam Minas na liderança do ranking. “O Estado tem a melhor legislação do segmento e os incentivos mais efetivos à geração de energia solar no Brasil. Isso ajuda a reduzir os impostos sobre equipamentos do setor e sobre a energia produzida. Outro fator é a qualidade do recurso solar de Minas, em especial da região Norte. E, por último, a tarifa de energia elétrica mineira é uma das mais elevadas no Brasil”, disse o executivo.

Fonte fotovoltaica

O estudo promovido pela Absolar mostrou que a fonte solar fotovoltaica, aquela em que há conversão direta da radiação solar em energia elétrica de forma renovável, limpa e sustentável, é a principal forma de aproveitamento — ela responde por 99,4% das instalações em todo o país.

O crescimento de projetos de micro e mini geração de energia solar fotovoltaica tem como maior impulso a redução de até 80% no preço da energia solar fotovoltaica na última década. “Isso trouxe a energia solar para mais perto do bolso
das famílias e do orçamento das empresas”, disse o presidente da Absolar.

Outros fatores, como tarifas altas de energia elétrica e a iniciativa de consumidores em adotar práticas sustentáveis, têm elevado e promovido o uso de fontes fotovoltaicas.

O estudo da Absolar identificou 37,1 mil sistemas solares fotovoltaicos, 44,7 mil unidades consumidoras e mais de R$ 2,5 bilhões em investimentos acumulados desde 2012. Os
consumidores residenciais estão no topo da lista, com participação de 76,7% do total.

Empresas dos setores de comércio e serviços (16,1%), consumidores rurais (3,8%), indústria (2,5%), poder público (0,8%) e serviços públicos (0,1%) completam o quadro.

Com informações do Diário do Comércio

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira o seu comentário!
Por favor insira seu nome