Torcidas incentivam clubes mineiros em todo o mundo

1
1270
Torcedores do Galo e Cruzeiro encontraram uma forma de se reunir mundo afora

Duas paixões do povo mineiro, combinadas, parecem irresistíveis: futebol e boteco. Ambas também são motivo de saudades dos conterrâneos que se mudam para outros Estados ou países, mas a internet tem dado uma força para que torcedores expatriados dos clubes mineiros Atlético e Cruzeiro continuem ligados à terra natal por meio dos Redutos Celestes e dos Consulados do Galo.

A ideia das agremiações é que os torcedores se reúnam nos locais onde moram, fora de Minas, para assistirem aos jogos. Assim, nas derrotas, têm companhia para sofrerem pelo time. Nas vitórias, proporcionalmente, a festa já está garantida — e a cerveja também.

É que os pontos de encontro são bares com televisões ou telões, cujos proprietários se dispõem a receber os mineiros e a transmitir as partidas. Melhor ainda, claro, se o jogo vier acompanhado por porções de torresmo e feijão tropeiro, para manter as raízes.

Conforme os encontros são realizados, os bares acabam se tornando locais bem conhecidos para mineiros — inclusive, pontos turísticos de passagem obrigatória para torcedores dos clubes mineiros que visitam as cidades.

O Boas Novas conversou com fundadores dos dois grupos. Bora conhecê-los?

Consulados do Galo buscam cartão sócio-torcedor

As torcidas atleticanas espalhadas pelo Brasil já existiam, isoladas, desde meados dos anos 2000, como a CarioGalo (do Rio de Janeiro), a GaloSampa (da capital paulista), a Galo de Praia (do Espírito Santo) e a Galo da Peste (do Recife), e atraíam um grande contingente de torcedores. Para se ter uma ideia, somente na final da Libertadores, em 2013, a GaloSampa reuniu 1.500 pessoas.

Seus dirigentes, reunidos em um grupo de WhatsApp, decidiram organizar as torcidas sob o nome de Consulados do Galo, a fim de tornar o movimento mais forte, em 2015 — desde então, novos grupos foram fundados e a rede cresceu. Hoje, os conselheiros mantêm um diálogo com o clube e os 56 Consulados estão listados no site oficial do Atlético — e ocupam localidades por todo o Brasil e países tão distintos como Canadá, Noruega e Angola.

O próximo passo desejado pelos Consulados, e já proposto à direção do clube, é criar um cartão Galo na Veia, de sócio-torcedor, para os atleticanos que moram fora da capital. “Seria uma receita nova para o Galo, com vantagens para os torcedores, por exemplo, como a preferência para comprar os ingressos em jogos na cidade onde o torcedor mora”, diz Luciano Santos Marques, um dos fundadores do grupo, integrante da GaloSampa. O plano do cartão, porém, ainda não foi aceito pelo time.

Outra intenção do grupo é montar, com o apoio do time, uma rede de lojinhas nos bares já fundados como Consulado, para que os torcedores possam comprar camisas oficiais do Atlético e produtos licenciados dos próprios consulados. “Imagine, por exemplo, alguém em Londres que visite um consulado lá e possa comprar a camisa do Galo da Peste, do Recife. Tudo isso reverteria dinheiro para o clube”, afirma o conselheiro.

Para fundar um Consulado, é necessário seguir estritamente cinco regras estabelecidas pelo Conselho. “É preciso que haja pelo menos cinco pessoas no grupo, assim como um bar fixo, com a concordância do proprietário. É preciso que já tenham sido realizados pelo menos três encontros, além de um nome e uma logo para que o Consulado seja aprovado”, explica Luciano.

Os interessados que não conseguem cumprir essas regras, seja por falta de quórum, seja por falta de um boteco para chamar de seu, são denominados “pré-Consulados”, que já contabilizam 30 unidades mundo afora.

O grupo tem recebido apoio de atleticanos famosos, caso do jornalista Chico Pinheiro, que gravou uma série de vídeos para serem divulgados na TVGalo e nas redes sociais do clube. Tudo isso, voluntariamente. “Todos os trabalhos que fazemos é por paixão, ninguém ganha nada com isso. O sonho da minha mulher, inclusive, é que eu me dedicasse à minha empresa como eu me dedico aos Consulados.”

Torcedores da GaloSampa, com o jornalista Chico Pinheiro (agachado) | Foto: Divulgação

Cruzeirenses ganham novas famílias fora de casa

A paixão pelo Cruzeiro fez com que Michel Augusto Rangel ganhasse uma nova família em Natal (RN), onde mora. Cofundador dos Redutos Celestes, ao lado do amigo e xará Michel Vieira Gabriel, hoje ele mantém contato com outros cruzeirenses espalhados pelo mundo.

A história dos Redutos começou com um perfil no Twitter, há cerca de um ano e meio, e hoje já reúne mais de 50 agremiações no país e fora, em cidades como Miami e Dublin. Os nomes dos grupos, salvo exceções, são baseados no nome do time e da localidade: Natalzeiros, Aracajuzeiros, Portuzeiros (em Portugal).

De olho na movimentação nas redes sociais, a direção do Cruzeiro já estabeleceu contato com o grupo. No ano passado, dois dirigentes de cada Estado foram convidados a assistirem a uma partida do camarote do clube. “Foi a gente que pagou passagem e tudo, mas foi uma emoção muito grande. Pisar no gramado do Mineirão foi um sonho de infância realizado”, diz Rangel.

Na avaliação do torcedor, não é fácil abandonar Minas Gerais e se aventurar longe de casa — como no caso dele, a 2.400 km da capital. Mas o futebol ajuda a manter as raízes mineiras intactas. “A gente se aproxima e vira uma família. Durante os campeonatos, por exemplo, vemos jogos toda quarta-feira e domingo com aquela mesma galera. Viramos amigos de verdade, celebramos aniversários, casamentos, não somos só um perfil nas redes sociais”, afirma. “Até a linguagem é a mesma. Só aqui que ouvimos ‘uai’, ‘trem’ e ‘sô’ em Natal.”

Membros do Reduto Celeste conhecem o Mineirão, casa do Cruzeiro | Foto: Divulgação

As reuniões passaram a ser tão familiares que o Reduto Celeste em Miami, Miamizeiros, por exemplo, passou a ser na casa de um torcedor. “O clima é sempre muito bom, em paz, sem briga. O que nos une é nossa paixão pelo maior de Minas. Só quem é torcedor entende”, finaliza.

Nesta semana, os Redutos Celestes inauguram o bar oficial da torcida em Belo Horizonte: o Calaveras, no Prado. Para quem quiser visitar, o endereço é Rua dos Pampas, 262.

1 COMENTÁRIO

  1. Obrigado pela orpotunidade de falar do nosso amor pelo Cruzeiro!
    Predestinados, PRIVILEGIADOS em REPRESENTAR O NOSSO CRUZEIRÃO em algum canto do planeta! Aqui vc encontrará todos os REDUTOS CRUZEIRENSES pelo mundo!
    #RedutosCelestes
    #SomosAzuis
    #OsDoBarroPreto
    #FundamentalismoCruzeirense
    #CalaverasRedutos
    Desde 1921 na 1° Divisão

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira o seu comentário!
Por favor insira seu nome