Pequena Arapuá tem melhor educação pública de Minas

0
947
Fachada da Escola Estadual Irmãs Cândida, em Arapuá. Foto-Divulgação

Apesar de estar numa das das menores cidades de Minas Gerais, escola da pequena Arapuá conseguiu desenvolver educação de qualidade e tem melhor nota no Ideb em todo o Estado

É da pequena Arapuá, no Alto Paranaíba, com pouco mais de 2.800 habitantes, o título de cidade com a melhor educação pública de Minas Gerais. A Escola Municipal Irmãs Cândida, que trabalha com os anos iniciais do ensino fundamental (1º ao 5º ano), tem nota 8 no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), que mede a qualidade do ensino no país. Acima de 6 já é considerado padrão internacional.

Na comparação com os resultados de todos os municípios brasileiros, Arapuá está na invejável quinta posição e, mesmo assim, a diferença que a separa dos primeiros colocados é pequena. Lidera o ranking o município cearense de Sobral, com Ideb 8,8, seguido por Pires Ferreira, com 8,7, e Deputado Irapuan Pinheiro, com 8,2 (ambos do Ceará). Com Ideb 8,1, três municípios (dois do Paraná e outro do Ceará) dividem o quarto lugar. E no quinto, com Ideb 8, está Arapuá, mesma nota do município paulista Dumont.

Segredo

Qual o segredo de Arapuá? Não há segredo algum. O que a escola municipal da cidade faz, de acordo com especialistas, pode ser feito por qualquer escola pública, seja de cidades pequenas ou muito grandes: acompanhamento e avaliação sistemática de cada aluno; intervenção rápida para corrigir as dificuldades do estudante e nova avaliação, num ciclo que deve ser permanente. E, evidentemente, professores melhores qualificados.

Ana Lúcia Gazzola, ex-secretária de Educação de Minas Gerais. Foto – Gil Leonardi

“A intervenção pedagógica deve ser diária, uma rotina nas escolas. É preciso fazer uma avaliação permanente, aluno por aluno, checar se, de fato, ele aprendeu e intervir quando necessário. É uma guerra de guerrilha. É assim em todos os países que têm uma educação de qualidade”, afirma Ana Lúcia Gazzola, ex-secretária de Educação de Minas Gerais.

Segundo ela, em cidades menores é mais fácil fazer o acompanhamento do desempenho de cada aluno, mas não significa que as grandes também não possam fazê-lo. “A realidade das cidades grandes é mais complexa. Há dificuldades de acesso às escolas, problemas de ordem social, drogas, violência. Mas não significa que não possa ser feito também nos grandes polos urbanos. Basta ver o caso de Sobral, que faz exatamente isso”, observa Gazzola. A cidade cearense tem mais de 203 mil habitantes.

Na tabela abaixo, resultado do Ideb de Arapuá desde 2005:

Trabalho integrado

Sílvia Souza, que é secretária municipal de Educação de Arapuá, conta que a preocupação com a qualidade do ensino já começa na educação infantil. As 75 crianças que estudam na Escola Municipal Maria Caetano da Rocha recebem uma atenção especial dos professores e chegam ao 1º ano do ensino fundamental, geralmente com 6 anos, melhor preparadas. O município ainda conta com uma creche, chamada Centro Educacional Criança Feliz, que atende 117 crianças.

“Creio que o nosso desempenho é resultado do trabalho que começa na educação infantil, passa também pela nossa creche e continua nos anos iniciais do ensino médio. Temos como meta a aprendizagem de cada um dos nossos alunos. Não queremos deixar ninguém pra trás”, diz a secretária.

Para Sílvia, ajuda também na qualidade do ensino fundamental o fato de a escola ter turmas menores, com uma média de 16 alunos, dando ao professor mais possibilidades de fazer um atendimento individualizado. No total, a Escola Municipal Irmãs Candidata tem 175 alunos, divididos em dois turnos.

Outro fator fundamental para a boa qualidade da educação na cidade: a qualificação dos professores. Dos 50 educadores da rede municipal, de acordo com a secretária Sílvia, apenas um não tem curso de pós-graduação. A diretora da escola, a pedagoga Luciléia Bomtempo de Oliveira Silva, conta ainda que os professores recebem com frequência cursos de capacitação, em parceria com a Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

 Professores qualificados

“Nossos professores se preocupam com os alunos e querem que eles aprendam. Trabalhamos com intervenção permanente, seja no contraturno ou mesmo no turno do próprio aluno, caso ele não consiga retornar em outro horário, como é o caso daqueles que moram na zona rural. O nosso empenho é para que o aluno aprenda. O resultado do Ideb, acredito, mostra que estamos no caminho certo”, assinala a diretora, que tem 24 anos de magistério.

O resultado alcançado pela escola municipal de Arapuá ajuda também a derrubar o mito de que escola boa é aquela que conta com sofisticados  recursos didáticos, uma grande parafernália tecnologia, como computadores e tabletes de última geração, excelente estrutura física. Tudo isso pode, sim, ajudar, mas não é determinante. “O que a escola precisa ter é um ambiente acolhedor”, afirma Ana Lúcia Gazzola, atualmente consultora de educação dos governos do Panamá e da Colômbia.

A escola municipal Irmãs Cândida, com o melhor Ideb de Minas e o 5º melhor do Brasil, é um exemplo disso. Ela ocupa um prédio modesto, tem um laboratório de informática com 21 computadores, mas que está fechado, internet somente na área administrativa, e o salário dos professores, como na grande maioria dos municípios mineiros, é ruim (média de R$ 1.200,00/mês para uma jornada de 24 horas semanais).

O que falta em modernidade, entretanto, sobra em vontade dos gestores municipais, da comunidade escolar, dos professores em especial. “Gostamos do que fazemos e fazemos com amor”, diz a diretora Luciléia, que conta que a escola já se prepara para os exames que vão definir o Ideb de 2017 (o índice é medido de dois em dois anos).

A meta estabelecida pelo Ministério da Educação para o Ideb de Arapuá era de 7,6 para o ano de 2021. Como já superou essa meta com 7 anos de antecedência, a escola municipal Irmãs Cândida quer ir mais longe. Talvez se aproximar, ou até mesmo se igualar, à campeã Sobral.

Municípios brasileiros que conseguiram nota acima de 8 no último Ideb (2015)

Posição Município Estado População IDEB 2015
1 Sobral   Ceará 203.682 8,8
2 Pires Ferreira  Ceará 10.216 8,7
3 Deputado Irapuan Pinheiro  Ceará 9.094 8,2
4 Atalaia  Paraná 3.913 8,1
Brejo Santo  Ceará 47.645 8,1
Serranópolis do Iguaçu  Paraná 4.568 8,1
5 Arapuá  Minas Gerais 2.772 8,0
Dumont  São Paulo 9.028 8,0
6 São José da Barra  Minas Gerais 6.778 7,9
Tupi Paulista  São Paulo 14.262 7,9
Fonte: Inep/Ministério da Educação

Para entender o Ideb

  • Criado em 2007 pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) mede a qualidade do aprendizado nacional e estabelece metas para a melhoria do ensino.
  • O índice é calculado a partir de dois componentes: a taxa de rendimento escolar (aprovação) e as médias de desempenho nos exames aplicados pelo Inep. Os índices de aprovação são obtidos a partir do Censo Escolar, realizado anualmente.
  • As médias de desempenho utilizadas são as da Prova Brasil, para escolas e municípios, e do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), para os estados e o País, realizados a cada dois anos.
  • O governo espera que até 2021 todas as escolas do país alcancem nota 6, que corresponde ao sistema educacional dos países desenvolvidos.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira o seu comentário!
Por favor insira seu nome