Alunos do 6º ano criam dicionário de línguas indígenas

0
375
Alunos que criaram o dicionário de línguas indígenas

Mba’éichapa significa olá na língua indígena guarani. Foi esse simples cumprimento que inspirou o projeto Dicionário Indígena Ilustrativo: Resgatando as Línguas Ofaié e Guarani. Estudantes do 6° ano do ensino fundamental da Escola Municipal Antônio Henrique Filho, de Brasilândia (MS) produziram um dicionário de línguas indígenas, com ilustrações próprias. O livro foi distribuído nas escolas e biblioteca do município.

O Dicionário Indígena Ilustrativo é um dos premiados no Desafio Criativos da Escola.

Segundo os estudantes, há apenas cinco falantes da língua ofaié. Os mais jovens não chegaram a aprender o idioma. O projeto começou quando a professora de história da escola, Marciana Santiago de Oliveira, ouviu dois estudantes indígenas se cumprimentando.

“Os alunos indígenas estudam à tarde, pela dificuldade para se deslocarem até a escola. Eu sempre dei aula de manhã, e quando me mudei para a tarde, a presença deles foi novidade para mim. Eles falaram essa palavra e eu achei interessante”, disse. Ela se aproximou do grupo e começou a conversar sobre o idioma. O assunto foi novidade também para os alunos não indígenas, que já conviviam com os colegas, mas que não conheciam a cultura deles.

A ideia de criar um dicionário dos idiomas foi construída em conjunto com os estudantes, a partir dos relatos deles.

Tânia Rodrigues da Silva Lins, 13 anos é uma das estudantes que faz parte do projeto. Ela é da etnia Ofaié, mas, como os demais jovens, não chegou a aprender o idioma. “A gente não tem muita oportunidade de resgatar a cultura e levar para fora. Achei muito legal”, disse. Ela fez entrevistas com quem ainda fala o idioma na aldeia, e uma dessas pessoas é a sua avó, Neuza da Silva, 57 anos.

“Para mim, o idioma é difícil, eu nasci falando português. Minha avó é a mais antiga da aldeia, às vezes ela tenta ensinar a gente, mas ela tem vergonha de falar.”

O projeto envolveu tanto os indígenas com as entrevistas e escolhas de palavras como os não indígenas que se interessaram por aprender um pouco das línguas. Os alunos fizeram ainda um vídeo. Agora, pretendem oferecer oficinas nos colégios da cidade sobre o material que produziram. “A história, se não for para transformar a nossa realidade, não faz sentido”, disse a professora.

Premiação

O Desafio Criativos da Escola celebra e premia projetos protagonizados por crianças e jovens de todo o país que, apoiados por seus educadores e educadoras, estão transformando as escolas, comunidades e municípios. As equipes premiadas recebem R$ 1.500 e os educadores responsáveis por equipe, R$ 500. O prêmio é parte do programa Criativos na Escola da ONG Instituto Alana.

“A premiação é uma estratégia para valorizarmos não só os 11 projetos selecionados, mas principalmente este movimento de crianças e jovens que estão pensando criticamente suas realidades e desenvolvendo projetos de transformação social”, disse um dos coordenadores do programa Criativos da Escola Gabriel Maia Salgado. “Mesmo em contextos políticos e sociais adversos, os estudantes vêm construindo transformações e, inclusive, pressionando escola, comunidade e a própria gestão pública para trabalharem juntos.”

Com informações da Agência Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira o seu comentário!
Por favor insira seu nome